OBAMA Y LULA

 

Por Strategicos

 

 

 

Comienzan los inevitables choques entre la política exterior   de Barak Obama  y la deliberadamente ambigua  de Lula que se despide pero  deja a Brasil como potencia regional emergente. Básicamente la síntesis de lo que aquí dice se centraliza en  temas muy simples:

 

1- La irritación de los fabricantes de armas  suecos, ingleses y americanos por el Megacuerdo comercial con Francia en los campos naval y aéreo por parte de Brasilia,

 

2 -Los giros de vals  en torno a la visita de Simón Pérez a Brasil y la consecuente  posposición de la llegada de Amheniyad  para diciembre, Israel acaba de  centrar sus bazas en el Paraguay.

 

 3-Finalmente  las trabas a las exportaciones chinas en algunos rubros deportivos por parte del Brasil.O de Adidas Alemania?El cierre de estas postales de viaje por el país vecino sugieren que los Estados Unidos no tiene claramente diseñado un enfoque global de las relaciones internacionales en términos de Morgentau; el caso irresuelto de Honduras es un  banco de pruebas definitorio y el precipitado que sale de la probeta   del Departamento de  Estado y del Pentágono es absolutamente contradictorio  y parte de  esa contradicción  con poderes de veto y a la vez seducción administrativamente entrecruzados ,se debe  a que Estados Unidos, frente a un pequeño país exportador de bananas ,no ha encontrado todavía quien es exactamente el hijo de puta que responde mejor a sus intereses siguiendo la celebre frase de Roseevelt .

 

El sombrero de  Zelaya o la administración juridicista que  culmina en diciembre.Entre tanto, para  el laborismo brasileño la situación  es menos conflictiva porque funciona como subvirrey   y un subvirrey que en  el largo plazo esta destinado a convertirse en punta  y   sinergia entre los intereses europeos, africanos y  mediorientales.Es decir un virrey con aspiraciones autonómicas.

 

Las huellas de Enrique el Navegante y de la Compañía de las Indias Orientales  no están muertas en el Brasil y el hecho de que esas pautas sean claramente recuperadas por un gobierno socialdemócrata les da mayor penetración frente a la extrema blandura de un presidente americano que todavía no ha encontrado  el motor revolucionario de la Nueva América que le hizo vencer con extrema facilidad  las elecciones frente al conservadorismo americano..

 

Si podemos ,enfatizó Obama en el mejor estilo Kennedyano pero exactamente como  John Kennedy con su Alianza para el Progreso ahora se advierte que ese "Si Podemos"  no marca  el comienzo de  ua nueva política exterior y en ese caso constituirá simplemente las primeras contradicciones programáticas  que marcaran su tumba o al menos su apresurada redefinición que implicaran un corrimiento a la derecha o un inesperado vuelco a la izquierda que ,con elecciones en poco tiempo ,no parece ser posible.Obama esta haciendo de arbitro entre  dos   partidos transversalmente enfrentados y si bien advierte que no puede prescindir del motor brasileño no se le escapa que ese motor  esta construido  con piezas ensambladas en Europa, África y  Medio Oriente.Y los Sudamericanos  y caribeños  miran y arman esas tradicionales cumbres que valen más  por lo que no se dice que por lo que exactamente se dice.Ocurre que ni  Irak ni Afganistán son Vietnam  ni siquiera en términos de puebladas estudiantiles  ni simétricamente ni Venezuela ni Bolivia  rigen confrontativamente de ninguna forma frente a la  fenecida Unión Soviética.Obama está siguiendo los pasos de Kennedy, del bostoniano inicial, pero en verdad no se entiende muy bien como se puede confrontar una política de poder revisitado como es el de  Rusia con fintas seudo progresistas que se parecen a las divagaciones de Dante Caputo o del extraordinariamente sobrevaluado despuesde su muerte ,doctor Alfonsin -Valdemar.La política americana de contención dual - eje del mal vigente  en Afganistán ,Irak y Pakistán ,incuso Corea del Norte-  progresismo hacia el patio trasero latinoamericano  y al mismo tiempo la búsqueda de acuerdos conservadores con Rusia por vía del desarme  nuclear simplemente  no esta funcionando.Y el señor Zelaya demuestra que esta diplomacia pendular esta mostrando las contradicciones de una administración que todavía busca un linkage  para situaciones globales que responden a cosas diferentes.

 

De continuar en esta dirección el  reinado de Barack Obama lejos de parecerse a  Kennedy tendrá una curiosa semejanza con el solitario mandato de Jimmy Carter.VEAMOS  EL INFORME..

 

- Informe de Política Externa Brasileira –Apresentação:

 

O Observatório de Política Externa Brasileira é um projeto de informação semanalda Graduação em Relações Internacionais , e um dos trabalhos executados peloGrupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional (GEDES), do Centro deEstudos Latino-americanos (CELA) da Universidade Estadual Paulista “Júlio deMesquita Filho” (UNESP), campus de Franca..Equipe de redação e revisão: Profa. Dra. Suzeley Kalil Mathias (coordenação).Mestres e Mestrandos em Relações Internacionais pelo Programa San TiagoDantas – UNICAMP/UNESP/PUC-SP: André Cavaller Guzzi, Flávio Augusto LiraNascimento, Leonardo Ulian Dall Evedove e Renata Avelar Giannini. Mestrandosem História pela UNESP de Franca: Victor Hugo de Souza Gonçalves e TiagoPedro Vales. Graduandos em Relações internacionais pela UNESP de Franca:Adriana Suzart de Pádua (bolsista CNPq), Felipe dos Santos (bolsista CNPq),Juliana Yumi Aoki, Celeste de Arantes Lazzerini, Patrícia Carmos, Rafael AugustoRibeiro de Almeida, Bruna Hunger Ribeiro, Felipe Garcia Moreira.

 

Amorim criticou EUA

 

No último dia 03, durante o encontro ministerial da Organização Mundial doComércio (OMC), que ocorreu em Nova Délhi , Índia, o chanceler brasileiro, CelsoAmorim, criticou os entraves impostos pelos Estados Unidos às negociações daRodada Doha, paralisadas desde julho de 2008. Amorim citou as novas exigênciasde Washington, como a maior abertura dos mercados industriais de economias emdesenvolvimento e a menor proteção à agricultura familiar, como a receita para ofracasso de Doha. Para o chanceler, essas novas exigências violam oscompromissos dos sócios da OMC de alcançar um acordo equilibrado e com focona agricultura (O Estado de S. Paulo – Economia – 04/09/2009).

 

Brasil acertou visita de Ahmadinejad

 

O governo brasileiro agendou a visita do presidente do Irã, MahmoudAhmadinejad, a Brasília para a primeira semana de dezembro, contrariando avontade inicial do iraniano, que pretendia visitar o país ainda este mês. A medidafoi tomada como uma maneira de atenuar o desconforto do presidente de Israel,Shimon Peres, cuja visita ao Brasil está marcada para o dia 11 de novembro.Segundo diplomatas israelenses, a vinda de Peres poderia ser cancelada caso oBrasil decidisse receber Ahmadinejad. (Folha de S. Paulo – Mundo – 04/09/2009).Brasil suspendeu isenção de vistos a hondurenhosO governo brasileiro determinou que todos os hondurenhos apresentem o vistopara ingressar no Brasil. A medida, que começou a valer no dia 5 de setembro,tem como objetivo pressionar o novo regime do país. Segundo nota divulgada peloItamaraty, a medida não afeta os hondurenhos que se encontram em situaçãoregular no Brasil, mas dificulta os trâmites para os que queiram visitar o país pormotivos como turismo, negócios e, principalmente, missões oficiais. O Itamaratytambém reiterou que, se Manuel Zelaya não voltar ao poder, não reconhecerá oresultado das eleições. Em reciprocidade, no último dia 4, o governo de fato deHonduras decidiu suspender os acordos de isenção de vistos que mantinha com oBrasil. Tal medida também tornou necessária a emissão de vistos para quebrasileiros possam entrar em Honduras (Folha de S. Paulo – Mundo – 04/09/2009,O Estado de S. Paulo – Internacional – 04/09/2009; O Estado de S. Paulo –Internacional – 05/09/2009). 

 

Sarkozy visitou o Brasil

 

Nos dias 6 e 7 de setembro, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva,recebeu a visita de seu homólogo francês, Nicolas Sarkozy. No encontro, apossível cooperação na área de defesa teve destaque, com a abertura denegociações para aquisição de equipamentos aeronáuticos e marítimos. Naocasião, o governo francês comprometeu-se a ofertar os aviões Rafale, cujacompra está sendo analisada pelo Brasil, a preços competitivos, e manifestou adisposição de adquirir aviões KC-390, em fase de projeto na Embraer. Lula eSarkozy afirmaram que estão empenhados em ampliar o Conselho de Segurançada Organização das Nações Unidas (ONU), dar maior respaldo ao G-20,impulsionar reformas institucionais no Fundo Monetário Internacional (FMI) e noBanco Mundial (BM), criar uma política eficaz de segurança alimentar eimpulsionar o desenvolvimento de políticas ambientais. Além disso, os paísesdeclararam que têm a intenção de ampliar a cooperação bilateral em diversasáreas, tais como nuclear, comercial, econômica, de biodiversidade e de ajudaconjunta a terceiros países. No dia 07, Brasil e França assinaram um acordo decooperação técnica para a realização de um programa de transferência detecnologia e informações sobre energia nuclear. Apesar das declarações de Lulasobre a abertura de negociações para aquisição de aeronaves francesas, ogoverno brasileiro divulgou, no dia 08, nota na qual afirmou que tal anúncio foiprematuro, sendo que ainda não foram cumpridas as regras formais deconcorrência, e, portanto, o processo de seleção para compra de novas aeronavespara a Força Aérea Brasileira (FAB) ainda não está encerrado (Folha de S. Paulo– Brasil – 08/09/2009; Folha de S. Paulo – Brasil – 09/09/2009; Folha de S. Paulo– Dinheiro – 08/09/2009; Folha de S. Paulo – Dinheiro – 09/09/2009; O Estado deS. Paulo – Nacional – 08/09/2009; O Estado de S. Paulo – Nacional – 09/09/2009;O Estado de S. Paulo – Economia & Negócios – 08/09/2009; O Globo – O País –08/09/2009; O Globo – O País – 09/09/2009; O Globo – Economia – 09/09/2009).

 

Presidente de El Salvador visitou o Brasil

 

No dia 09 de setembro, o presidente de El Salvador, Mauricio Funes, encontrou-secom o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva. Na ocasião, Funes solicitouque o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) financieo equivalente a US$ 800 milhões para a reformulação do sistema de transporteurbano do seu país; técnicos do BNDES já estiveram em El Salvador para avaliaro projeto, que prevê a contratação de uma ou mais empresas brasileiras para afabricação de ônibus e condições preferenciais para a quitação da dívida. Funestambém sugeriu a negociação de acordos bilaterais nas áreas de saúde,agricultura, comércio e segurança (Folha de S. Paulo – Mundo – 09/09/2009).MERCOSUL assinou Declaração de SalvadorEm reunião do Comitê de Defesa do Consumidor do MERCOSUL, que aconteceunos dias 13 e 14 de agosto, representantes dos Estados-parte do bloco assinarama Declaração de Salvador, documento que tem como objetivo proteger osconsumidores contra problemas como publicidade enganosa, falta de informação,oferta agressiva e venda casada. Na ocasião, outras ações foram formuladas,como a criação de um Observatório MERCOSUL sobre Crédito eSuperendividamento, que terá como objetivo diagnosticar os principais problemasna concessão de crédito na região, e de um laboratório para trocas deexperiências e integração das políticas públicas e ações de prevenção etratamento do superendividamento, além da promoção de fóruns de debates paradiscutir o assunto (O Globo – Economia – 09/09/2009).

 

Lula discursou sobre crise de Honduras

 

Durante a visita do presidente de El Salvador, Mauricio Funes, o presidentebrasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, incluiu em seu discurso a questão daseleições em Honduras. O presidente reafirmou sua posição de não-aceitação daseleições, a serem realizadas em 29 de novembro, sem que haja o retorno efetivoao poder do presidente deposto, Manuel Zelaya. O presidente Lula citoucomunicado do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que se posicionouigualmente contrário a eleições hondurenhas sob o governo golpista, e alegouhaver um consenso regional e mundial oposto a tal ação. O discurso do,mandatário brasileiro deu-se dias após afirmação do presidente da Costa Rica,Óscar Arias, segundo o qual as eleições poderiam ser benéficas e propiciar o finalda crise, independentemente do retorno de Zelaya (Folha de S. Paulo – Mundo –10/09/2009).

 

Brasil aplicou medidas antidumping contra China

 

A Câmara de Comércio Exterior (Camex) determinou uma sobretaxa provisória deUS$ 12,47 sobre calçados chineses que entrarem no Brasil. Foram excluídos dasobretaxação calçados para práticas de determinados esportes, como boxe eciclismo, além de outros que ocupem parcela diminuta no mercado brasileiro.Também foram sobretaxados pneus de automóveis de passeio, em torno de US$0,75 por quilograma importado. A medida foi prevista com duração de seis meses,período no qual uma alíquota permanente deverá ser criada (Folha de S. Paulo –Dinheiro – 10/09/2009; O Estado de S. Paulo – Economia & Negócios –10/09/2009; O Globo – Economia – 10/09/2009).

 

Brasil discute compra de caças

 

O governo brasileiro afirmou que as negociações sobre a compra de caçaspermanecem, apesar da preferência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelomodelo francês. Estados Unidos e Suécia efetuaram novas ofertas, nas quaisincluíram a possibilidade de transferência de tecnologia. O assessor para assuntosinternacionais da presidência, Marco Aurélio Garcia, declarou ressalvas à ofertanorte-americana, relembrando o caso dos Super Tucanos em 2006. Uma dasexigências do governo brasileiro na compra dos caças é a de que haja plenatransferência de tecnologia, sem restrições. Em 2006, o país teve a venda de jatosSuper Tucano para a Venezuela vetada, sob alegação norte-americana de que asaeronaves eram dotadas de tecnologia dos Estados Unidos. A mesma alegaçãofoi utilizada por Washington para vetar a oferta sueca, cujos jatos possuemtecnologia de mesma origem (Folha de S. Paulo – Brasil – 10/09/2009; O Estadode S. Paulo – Nacional – 10/09/2006; O Globo – O País – 10/09/2009).

 

 Brasil suspendeu isenção de vistos a hondurenhosO governo brasileiro determinou que todos os hondurenhos apresentem o vistopara ingressar no Brasil. A medida, que começou a valer no dia 5 de setembro,tem como objetivo pressionar o novo regime do país. Segundo nota divulgada peloItamaraty, a medida não afeta os hondurenhos que se encontram em situaçãoregular no Brasil, mas dificulta os trâmites para os que queiram visitar o país pormotivos como turismo, negócios e, principalmente, missões oficiais. O Itamaratytambém reiterou que, se Manuel Zelaya não voltar ao poder, não reconhecerá oresultado das eleições. Em reciprocidade, no último dia 4, o governo de fato deHonduras decidiu suspender os acordos de isenção de vistos que mantinha com oBrasil. Tal medida também tornou necessária a emissão de vistos para quebrasileiros possam entrar em Honduras (Folha de S. Paulo – Mundo – 04/09/2009,O Estado de S. Paulo – Internacional – 04/09/2009; O Estado de S. Paulo –Internacional – 05/09/2009).,impulsionar reformas institucionais no Fundo Monetário Internacional (FMI) e noBanco Mundial (BM), criar uma política eficaz de segurança alimentar eimpulsionar o desenvolvimento de políticas ambientais. Além disso, os paísesdeclararam que têm a intenção de ampliar a cooperação bilateral em diversasáreas, tais como nuclear, comercial, econômica, de biodiversidade e de ajudaconjunta a terceiros países. No dia 07, Brasil e França assinaram um acordo decooperação técnica para a realização de um programa de transferência detecnologia e informações sobre energia nuclear. Apesar das declarações de Lulasobre a abertura de negociações para aquisição de aeronaves francesas, ogoverno brasileiro divulgou, no dia 08, nota na qual afirmou que tal anúncio foiprematuro, sendo que ainda não foram cumpridas as regras formais deconcorrência, e, portanto, o processo de seleção para compra de novas aeronavespara a Força Aérea Brasileira (FAB) ainda não está encerrado (Folha de S. Paulo– Brasil – 08/09/2009; Folha de S. Paulo – Brasil – 09/09/2009; Folha de S. Paulo– Dinheiro – 08/09/2009; Folha de S. Paulo – Dinheiro – 09/09/2009; O Estado deS. Paulo – Nacional – 08/09/2009; O Estado de S. Paulo – Nacional – 09/09/2009;O Estado de S. Paulo – Economia & Negócios – 08/09/2009; O Globo – O País –08/09/2009; O Globo – O País – 09/09/2009; O Globo – Economia – 09/09/2009).4

 

MERCOSUL assinou Declaração de Salvador

 

Em reunião do Comitê de Defesa do Consumidor do MERCOSUL, que aconteceunos dias 13 e 14 de agosto, representantes dos Estados-parte do bloco assinarama Declaração de Salvador, documento que tem como objetivo proteger osconsumidores contra problemas como publicidade enganosa, falta de informação,oferta agressiva e venda casada. Na ocasião, outras ações foram formuladas,como a criação de um Observatório MERCOSUL sobre Crédito eSuperendividamento, que terá como objetivo diagnosticar os principais problemasna concessão de crédito na região, e de um laboratório para trocas deexperiências e integração das políticas públicas e ações de prevenção etratamento do superendividamento, além da promoção de fóruns de debates paradiscutir o assunto (O Globo – Economia – 09/09/2009).

 

Lula discursou sobre crise de Honduras

 

Durante a visita do presidente de El Salvador, Mauricio Funes, o presidentebrasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, incluiu em seu discurso a questão daseleições em Honduras. O presidente reafirmou sua posição de não-aceitação daseleições, a serem realizadas em 29 de novembro, sem que haja o retorno efetivoao poder do presidente deposto, Manuel Zelaya. O presidente Lula citoucomunicado do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que se posicionouigualmente contrário a eleições hondurenhas sob o governo golpista, e alegouhaver um consenso regional e mundial oposto a tal ação. O discurso do,mandatário brasileiro deu-se dias após afirmação do presidente da Costa Rica,Óscar Arias, segundo o qual as eleições poderiam ser benéficas e propiciar o finalda crise, independentemente do retorno de Zelaya (Folha de S. Paulo – Mundo –10/09/2009).

 

Brasil aplicou medidas antidumping contra China

 

A Câmara de Comércio Exterior (Camex) determinou uma sobretaxa provisória deUS$ 12,47 sobre calçados chineses que entrarem no Brasil. Foram excluídos dasobretaxação calçados para práticas de determinados esportes, como boxe eciclismo, além de outros que ocupem parcela diminuta no mercado brasileiro.Também foram sobretaxados pneus de automóveis de passeio, em torno de US$0,75 por quilograma importado. A medida foi prevista com duração de seis meses,período no qual uma alíquota permanente deverá ser criada (Folha de S. Paulo –Dinheiro – 10/09/2009; O Estado de S. Paulo – Economia & Negócios –10/09/2009; O Globo – Economia – 10/09/2009).

 

Brasil discute compra de caças

 

O governo brasileiro afirmou que as negociações sobre a compra de caçaspermanecem, apesar da preferência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelomodelo francês. Estados Unidos e Suécia efetuaram novas ofertas, nas quaisincluíram a possibilidade de transferência de tecnologia. O assessor para assuntosinternacionais da presidência, Marco Aurélio Garcia, declarou ressalvas à ofertanorte-americana, relembrando o caso dos Super Tucanos em 2006. Uma dasexigências do governo brasileiro na compra dos caças é a de que haja plenatransferência de tecnologia, sem restrições. Em 2006, o país teve a venda de jatosSuper Tucano para a Venezuela vetada, sob alegação norte-americana de que asaeronaves eram dotadas de tecnologia dos Estados Unidos. A mesma alegaçãofoi utilizada por Washington para vetar a oferta sueca, cujos jatos possuemtecnologia de mesma origem (Folha de S. Paulo – Brasil – 10/09/2009; O Estadode S. Paulo – Nacional – 10/09/2006; O Globo – O País – 10/09/2009).

.

Portada